Brew Fun Fest – a primeira edição do festival cervejeiro - Posts | Agenda Sorocaba

Brew Fun Fest – a primeira edição do festival cervejeiro

Lazer
19/08/15
Degustação das cervejas da Blondine. Destaque para o "Piña Colada", que leva coco e abacaxi em sua composição
Texto de Caio Saviolo

E rolou mais um festival de peso esse final de semana! Sorocaba está ficando cada vez mais insano… Colar no Brew Fun Fest foi uma experiência incrível, no qual descobri como é legal esse mundo de cerveja artesanal. O difícil foi lembrar de todos os relatos e informações que adquiri nesses dias, pois o álcool trás essas consequências e a memória no outro dia é bem falha. Mas garanto que foi de um aprendizado enorme e também de muita amizade, tudo isso acompanhado de grandes shows.

Chegando lá, a princípio fui com o intuito de analisar o festival num geral. Porém neste caso, a música, apesar de importante e de grande qualidade, ficava em segundo plano. Sentia-me na obrigação de procurar todos os tipos de informações sobre o que é esse lance de cerveja artesanal, pois eu era basicamente leigo no assunto e assim fui a todos os stands, 26 no total, trocar uma ideia. Com bastante paciência, a maioria dos stands me explicou basicamente tudo que eu sentia que precisava aprender e rolaram várias degustações, o que me deixou bastante alegre em todos os sentidos.

Cervejas artesanais da Cervejaria Cevada Pura, de Piracicaba/SP

Cervejas artesanais da Cervejaria Cevada Pura, de Piracicaba/SP

 

Vou fazer um relato geral do que eu consegui absorver. Primeiramente, se você acha essas brejas convencionais o top do top, não chegue perto de um cervejeiro, ele dirá que no seu copo tem basicamente água com milho. Para começar a entender um pouco melhor, experimente em algum dia de sua vida as Ale. Elas sofrem um processo de alta fermentação que deixa a cerveja mais densa e amarga. A partir daí você encontrará diversos subgrupos e cada uma com uma receita mais inusitada que a outra. Receitas que surgiram graças à escola belga, que diferente da alemã, não é nada rígida. Dessa forma, surgem as cervejas de café, abóbora e de todos os outros tipos que o mestre cervejeiro conseguir desenvolver. Sem contar os diversos tons de lúpulos que existem e que podem dar um sabor cítrico de repente na sua breja.

Cervejas artesanais são ótimas com harmonização, uma Stout é excelente com um doce. Por último, a informação que eu achei mais interessante, a maioria das microcervejarias que participaram do Brew Fun Fest se denomina como ciganas, ou seja, elas não possuem fábrica própria e utilizam equipamentos de outras empresas para produzir. Sinceramente eu acho genial isso… Só mostra a união de um grupo para fortalecer algo no qual o grande intuito é desenvolver um produto de qualidade sem baixar a cabeça para as grandes corporações e jamais desanimar. Agradeço de verdade as pessoas que me aturaram e conversaram sem nenhuma pretensão, cada uma com uma origem diferente, com uma história diferente, mas todos na mesma sintonia de valorizar a cerveja.

O festival pelo lado de dentro, onde havia a concentração de stands cervejeiros e o palco interno

O festival pelo lado de dentro, onde havia a concentração de stands cervejeiros e o palco interno

O lado externo com praça de alimentação, food trucks e o palco principal

O lado externo com praça de alimentação, food trucks e o palco principal

 

A parte musical foi bastante interessante, muito rock n roll, claro! Diversas bandas da cidade passaram por lá, mas meu grande destaque fica por conta das garotas do Lady Girls. Foi muito bonito ver meninas bastante novinhas, com 14 anos no máximo, tirando um som de extrema qualidade, melhor que muito marmanjo por aí. Os headliners também foram bem intensos. O Ira! fez um concerto no primeiro dia que contou com bastante sons do seu primeiro álbum, “Mudança de Comportamento”, que completa 30 anos.

Devotos da Salim e seu punk rock, atração do sábado 15/08

Devotos da Salim e seu punk rock, atração do sábado 15/08

 

O Raimundos, também viajou nos seus clássicos no segundo dia e teve a engraçadíssima participação do baixista Caniço, que durante o dia era visto com bastante frequência visitando todos os stands, servindo copo de cerveja para a galera e na hora do show teve que fazer uma pausa para ir ao banheiro. Coisas que acontecem quando se toma cerveja! E como diz o Ira!, não da para segurar. Para fechar o evento, nada melhor que o Velhas Virgens, com um rock independente 100% dedicado à cerveja, putaria e tudo que é imoral nesse mundo, Paulão e sua trupe fizeram um show totalmente divertido, convidando todos os expositores a subirem no palco na última música.

A histórica Raimundos enlouqueceu o público cervejeiro, encerrando a noite de sábado com um show recheado de clássicos

A histórica Raimundos enlouqueceu o público cervejeiro, encerrando a noite de sábado com um show recheado de clássicos

A equipe agendeira degustando as cervejas da Madalena, cervejaria artesanal de São Paulo

A equipe agendeira degustando as cervejas da Madalena, cervejaria artesanal de São Bernardo do Campo

As cervejas artesanais da Cervejaria Artesanal. Destaques para os seus nomes e rótulos, que levam personagens do folclore brasileiro

As cervejas artesanais da Cervejaria Nacional. Destaques para os seus nomes e rótulos, que levam personagens do folclore brasileiro

 

Foi incrível! Poderia deixar o nome de todos os expositores aqui, de todos os stands, mas é uma lista muito grande. Essas informações vocês podem encontrar no site do Brew Fun Fest (clique e veja). A comida também estava excelente, banheiros limpos, apesar das dificuldades visuais que a gente encontra no decorrer da noite e uma organização impecável. Espero que seja mais um festival com vida longa na cidade. Cheers!

 

Este texto não representa as opiniões do Agenda Blog